Nova configuração do Facebook vai te ajudar a saber para onde seus dados estão indo

A União Europeia, através do General Data Protection Regulation (GDPR), criou uma série de leis que visa regulamentar o uso, compartilhamento e venda de informações de usuários online.

Mas o que isso significa?

Significa que o Facebook foi obrigado a atualizar suas políticas a fim de se adequar às novas leis da União Europeia. Porém, a rede social, que já vem tentando se redimir, estabeleceu mudanças que vão valer para todos os países em que a plataforma opera. Antecipando, portanto, possíveis reivindicações de outras localidades.

O que vai mudar?

O site vai realizar uma consulta com os perfis para saber se eles dão permissão à plataforma sobre o uso de informações pessoais, como por exemplo: inclinações políticas, religiosas e status de relacionamento. Além de tornar mais fácil o processo de deletar esses dados caso o usuário não queiram mais compartilhá-los.

A rede também vai perguntar para todos que estejam na plataforma se concordam com a atualização da Política de Serviços, adicionando mais detalhes e especificações sobre como os serviços da rede funcionam.

É interessante ressaltar que o Facebook não está solicitando novos direitos de adquirir, usar ou compartilhar informações dos perfis, e o site continua se comprometendo a não vender suas informações para anunciantes ou parceiros.

Além dessas adições, a política referente a UE ainda acrescentará contatos de responsáveis pelo Facebook dentro do GDPR em caso de situações que poderão acontecer.

Facilidade de acesso

Um outro ponto importante de ressaltar é que a plataforma irá facilitar o acesso ao atalho de ‘Ferramentas’ e ‘Configurações’, que promete ser mais intuitivo na hora de consultar, deletar, baixar ou exportar dados disponíveis no site para consulta.

Por último, o Facebook frisou as medidas relativas às crianças e adolescente que utilizam a rede. O reconhecimento facial não é ativado para menores de 18 anos e as opções de publicidade oferecida para essa faixa etária é bem restrita.

Somado a isso, informações como localidade e data de aniversário de usuários jovens são de circulação controlada e os posts compartilhados por eles possui alcance restrito.

5 Aplicativos para te salvar dos alagamentos

A cena é comum durante o verão em diversas cidades brasileiras: sol escaldante seguido de chuva no final da tarde. E, geralmente, as pancadas vêm com tudo  e causam pontos de alagamento em vários locais. Muitas praças já ficaram famosas pelas enchentes – na cidade de São Paulo, por exemplo, foram colocadas placas com os dizerem: “área sujeita a alagamentos” -, mas nem sempre dá para saber onde há inundações.

 Pensando neste problema, vários programadores criaram aplicativos que mostram onde a água tomou conta das ruas. A maioria contam com a ajuda do próprio usuário, que pode identificar um alagamento e emitir um alerta a outros usuários. O WebMotors fez uma seleção com cinco gadgets que podem ser importantes, caso você fique em apuros:
 1 – MAPLINK

O famoso aplicativo que fornece informações sobre o trânsito também indica aos usuários sobre riscos de enchente. Ele utiliza dados fornecidos pelo Google Maps. O download é gratuito para celulares e tables Android e iOS – também para Windons Phone.

 Android – Download

iOS – Download

 2 – ALAGA SP

Disponível apenas para a cidade de São Paulo, o app fica em contato direto com o Centro de Gerenciamento de Emergências do município. Assim que o órgão emite um alerta de alguma região está sob atenção, o aplicativo avisa o usuário por meio de mensagem.

 O projeto vencedor da maratona de informática promovido pela CET (Centro de Engenharia de Tráfego) mostra em tempo real a situação da cidade e permite que os usuários também criem alertas.
 O Aqui Alaga está disponível gratuitamente para Android e iOS.
940x576 826786fc 95a6 4d8b B39a 5686d0b4edff 12
 Android – Download

           iOS – Download

3 – WAZE

Misto de GPS com rede social, o aplicativo faz alertas sobre inundações antes de traçar uma rota e avisa também se um alagamento surgir durante a viagem. É grátis e está disponível até no exterior.

 Android – Download

iOS – Download

 4 – TRAPSTER

Tem funcionamento semelhante ao do Waze, porém, tem interface mais simples. Chama atenção por também ter disponibilizada para plataformas Windows, BlackBerry, Symbian, além dos populares Android e iOS.

Android – Download

iOS – Download

5 – OLHO NA ESTRADA

Mais focado em rodovias, o app tem como diferencial mostrar câmeras de diversas estradas brasileiras e também atenta para inundações. Está disponível para Android e iOS.

 Android – Download

iOS – Download

Já escolheu o app que vai te salvar dos alagamentos? Deixe seu comentário 🙂

 

Conteúdo audiovisual ainda mais poderoso!

É praticamente impossível entrarmos em qualquer rede social e não encontrarmos dezenas de conteúdos em vídeo. Isso já é uma tendência há algum tempo, mas 2018 é realmente o ano que essa estratégia vai tomar conta das redes sociais.

Em apenas quatro anos, 80% de todo o tráfego da internet será gerado por vídeos, de acordo com pesquisas da Cisco. Se isso não é suficiente para você começar a investir nesse tipo de conteúdo, saiba que no Facebook, meio bilhão de pessoas consomem vídeos todo dia.

Todos nós assistimos vídeos o dia todo, e esse dados só comprovam isso. Como dissemos anteriormente essa grande exposição de conteúdo audiovisual pode gerar uma saturação nos usuários. No entanto, esse desafio pode virar uma grande oportunidade para profissionais de marketing, onde devem gerar mais conteúdos audiovisuais.

Marcas que conseguirem pensar fora da caixa e fazer diferente de todas outras com certeza sairão na frente nessa disputa pela atenção do consumidor.

 

Entenda por que.

Conteúdo enxuto e direto

Não é nenhum segredo que para se ter sucesso nas redes sociais é preciso produzir conteúdo de qualidade, incentivando o engajamento do seu público. No entanto, não adianta investir em postagens repetitivas e extensas: é necessário que seu conteúdo seja o mais enxuto e direto possível, sem perder a eficiência.

Através de um vídeo é possível transmitir uma mensagem clara para seus seguidores de forma simples e curta, enquanto atrai os usuários através do aspecto visual, cada vez mais importante nessas plataformas sociais.

Se encaixam à tendência mobile

Cada vez mais, os dispositivos portáteis, como os tablets e smartphones, estão tomando de vez o lugar dos computadores. Recentemente, uma pesquisa do eMarketer mostrou que os acessos à internet através desses dispositivos devem aumentar mais de 80% no ano de 2015.

Diante dessa mudança, as companhias precisam acompanhar esse novo cenário e passar a pensar no que os usuários irão acessar através desses novos aparelhos. E mais uma vez, os vídeos são apontados como tendência para essa nova era do marketing digital, afinal, são adaptáveis aos diferentes tamanhos de tela, compatíveis com diversos sistemas operacionais e podem ser assistidos de qualquer lugar, a qualquer momento.

Atrai a atenção dos seus seguidores

Nas redes sociais, sua empresa precisa lutar a todo momento para atrair e manter a atenção do seu público. Afinal, seus seguidores estão constantemente cercados de diversas distrações e a um clique de distância de sair da sua página. Portanto, é essencial desenvolver um bom conteúdo que atraia o interesse e envolva os fãs da sua página. Nesse contexto, os vídeos desempenham um papel chave no seu plano de marketing, chamando a atenção enquanto transmite uma mensagem clara a seus seguidores.

Apela ao marketing visual

É fato consumado que apelar para a questão visual é uma estratégia eficaz nas redes sociais. Um ótimo exemplo dessa tendência são o Instagram e Snapchat — redes sociais de imagens que atraem uma gigantesca parcela do público jovem. Um marketing visual bem produzido cria uma imagem positiva da sua empresa, além de gerar forte engajamento nos seus seguidores.

É importante também frisar que para produzir conteúdos em vídeo de qualidade, é essencial contar com profissionais qualificados, que tenham uma vasta experiência no mercado digital, para te guiar através desse processo e garantir seu sucesso através das redes sociais. Além disso, escolher um bom sistema de armazenamento e gestão do conteúdo é essencial. Portanto, pesquise e invista em uma plataforma especializada, que otimize a administração dos seus vídeos.

Pronto para gravar? Deixe nos um comentário!

Novidade no Instagram!

O Instagram anunciou ontem  (10) que a versão 39.0 do seu app para Android e iOS está trazendo uma novidade interessante: modo retrato nativo direto na câmera do Instagram. Dessa maneira, você não precisa mais utilizar o modo retrato do sistema do seu aparelho para, só depois, levar a imagem para compartilhar na rede social. Além de fotos, o modo retrato do Instagram funciona também com vídeos, o que deixa a ferramenta ainda mais atraente.

Esse recurso está sendo adicionado à plataforma como um modo de câmera. Dessa maneira, ele ficará acessível sob o botão de captura do app, ao lado do SuperZoom.

O nome da nova ferramenta é “Focus”.

Vale destacar, contudo, que nem todos os smartrphones disponíveis no mercado serão compatíveis com o recurso. No lado da Apple, somente dispositivos como o iPhone 6s e mais recentes contarão com a novidade. No lado da Google, o Instaram não liberou uma lista, dizendo apenas que teremos uma “seleção de aparelhos Android” compatíveis com a novidade. Nesse caso, podemos imaginar que o app está dando suporte apenas aos principais top de linha do mercado que rodam o Robô. Seja como for, a nova versão do app já está disponível para baixar tanto na Play Store quando na App Store.

Gostou da novidade? Deixe seu comentário!

Como usar sua base de Leads para otimizar campanhas no AdWords?

Customer Match é uma funcionalidade do Google AdWords que permite que você faça upload de listas de email de clientes ou Leads e as utilize como público-alvo de campanhas e anúncios, ou seja, ao importar uma lista de emails, você cria uma audiência. Por essa audiência já ter demonstrado interesse na sua empresa anteriormente — uma vez que os emails são de quem é ou já foi um cliente ou um Lead — seus anúncios possuem uma probabilidade maior de conversão. Os anúncios com Customer Match podem ser feitos para as redes de pesquisa, shopping e também para YouTube e Gmail.

Como usar o Customer Match na sua estratégia?

Na prática, a melhor forma de utilizar o Customer Match é criando diferentes listas de audiência, uma para cada grupo de anúncios, cada uma com seu objetivo definido.

Por exemplo, uma dessas audiências pode ser composta por Leads que converteram em alguma Landing Page sua, mas ainda não são seus clientes. Para esse grupo, você criaria campanhas com o objetivo que eles façam uma primeira compra ou assinatura no seu site.

Já para uma lista de audiência de Leads que estão no seu clube de fidelidade, teria mais sentido fazer campanhas pensando no engajamento dessas pessoas. Ou seja, você pode criar campanhas para estimular a utilização do seu site ou aplicativo.

Cliques mais qualificados

Em outros casos, normalmente é recomendado utilizar palavras-chaves de cauda longa para que se encontre o público-alvo com um custo menor de CPC.

Contudo, para a lista de Leads no Customer Match, utilizar palavras-chaves um pouco mais gerais pode valer a pena. Isso porque, como você sabe que o público é realmente qualificado, gastar mais no CPC vale a pena, pois o CPA se torna menor.

Ou seja: vale a pena investir em palavras-chave mais gerais e com custo de clique mais caras nesse caso, uma vez que o custo de conversão do Lead diminui.

Encontre públicos similares

Além da opção de criar campanhas para as pessoas presentes na sua lista, o Customer Match permite também selecionar públicos similares como público-alvo de anúncios no Gmail ou no YouTube.

Regulamentações

Existem algumas limitações colocadas pelo Google na utilização do Google Match. São elas:

  • As listas precisam ser suas: isso significa que não podem ser utilizadas listas compradas, alugadas ou disponibilizadas por terceiro;
  • É necessário deixar claro a utilização que será feita com esse email em sua política de privacidade, ou seja, quando o Lead converter em uma Landing Page, ter o aviso que esse email será utilizado no Customer Match;
  • As pessoas da sua lista precisam ter pelo menos 13 anos de idade para que você possa utilizar seu email no Customer Match;
  • Informações sensíveis — como religião, status financeiro negativo etc. — não podem ser abordadas nas suas campanhas.

Com o Customer Match você poderá criar campanhas super otimizadas para o AdWords. Mas se você quiser variar o canal, pode experimentar também usar a base de Leads para criar anúncios no Facebook, Twitter e LinkedIn!

7 livros incríveis sobre marketing, vendas e negócios para você ler

1. As 22 consagradas leis do Marketing

Vamos começar pelo básico. As 22 consagradas leis do Marketing é leitura obrigatória para profissionais de marketing.

O livro de Al Ries e Jack Trout conta as principais leis para quem precisa se adaptar ao novo marketing.

E quem violar qualquer uma delas, pode saber: vai pagar por isso.

2. Marketing de Permissão

seth godin - permission marketing

Todo profissional de marketing já deve saber que o marketing mudou.

O guru do marketing, Seth Godin, conta em Marketing de Permissão os conceitos essenciais para quem quer vender para um consumidor que mudou.

Ao invés de incomodar seu cliente em potencial, por que não incentivá-lo a aceitar suas mensagens de marketing voluntariamente?

O marketing de permissão é sobre isso. Se você ainda não o faz, não perca tempo e aprenda logo.

3. Marketing 3.0

philip kotler - marketing 3.0

Que o Marketing é ditado pelos seres humanos, já sabemos até aqui. Mas quais são as forças reais por trás disso?

Phillip Kotler é um dos maiores nomes do marketing mundial e vai explicar exatamente isso.

Mesmo sendo considerado um autor tradicional, ele é um dos principais nomes da área e sempre será referência em marketing no mundo.

Por isso, não deixe de ler Marketing 3.0.

4. A Terceira Onda da Internet

steve case - a terceira onda

E, para contextualizar essas novas fases do marketing, nada melhor que falar sobre a era que vivemos com a internet nos dias de hoje.

A terceira onda da internet é um livro que trata disso. O autor Steve Case explica que vivemos um período em que os empreendedores transformarão setores como a saúde, educação, transporte e energia e, com isso, as nossas vidas.

O livro explica as habilidades para prosperar nessa época e ajuda a entender o que você precisa fazer para ser um pioneiro na terceira era da internet.

5. Como o Google funciona

eric schmidt e jonathan rosenberg - como o google funciona

Um bom panorama para quem se interessa em entender sobre inovação, tecnologia e o mercado de trabalho é o livro Como o Google funciona.

A obra do ex-CEO do Google, Eric Schmidt, explica como essa empresa aceitou as mudanças causadas pela tecnologia e focou o seu negócio no capital humano.

6. Big Data

big data - timandra harkness

Falando em inovação, um bom profissional de marketing não pode desconhecer termos chave do mercado como Big Data.

Por isso, nossa recomendação é ler o livro de mesmo nome, de Timandra Harkness.

Como funciona Big Data? Como utilizar esse turbilhão de informações? Quais são os limites e potenciais problemas por trás desse conceito?

7. Vender é humano

vender é humano - daniel h pink

Para mais um livro essencial sobre vendas, vamos fixar um conceito importante que é a ideia central de um best seller: Vender é humano.

Daniel Pink entendeu isso e deixou essa obra sobre a arte de influenciar e convencer os outros.

E ai, já conhecia algum livro? Conta pra gente!

 

SHOPPER MARKETING

O QUE É UM SHOPPER?

shopper, ou comprador, em tradução do inglês, é aquele indivíduo que está no ponto de venda para comprar um produto.

Bom, eles nem sempre são consumidores finais destes itens. Eles são o objetivo central de qualquer ação da sua marca no ponto de venda.

O Rubens Sant’Anna, que é um dos caras mais respeitados quando o assunto é trade, frisa muito isso.

O trade marketing, como já explicamos aqui no blog, desenvolveu-se ao lado da evolução do shopper. Em muitas indústrias, cabe ao departamento o mapeamento e a criação de ações para o shopper.

HÁ MAIS DIFERENÇAS ENTRE O SHOPPER E O CONSUMIDOR?

Sim, e ela aparece em 8 a cada 10 conversas sobre o assunto: afinal, quais são as diferenças entre o shopper e o consumidor?

Tudo fica mais claro quando listamos os atributos que levam cada perfil a fazer a sua escolha. Esses são os principais elementos de diferenciação entre eles:

  • O shopper não abre mão de: experiência, conveniência, variedade e valor.
  • O consumidor valoriza acima de tudo: sabor, durabilidade, saudabilidade.

Sant’Anna, em seu livro Planejamento de Trade Marketing, resume as diferenças assim:

 

COMO UTILIZAR A METODOLOGIA DE SHOPPER MARKETING?

Quanto o shopper geralmente gasta? Quais são as categorias que ele procura em determinada loja? Quais são as expectativas de valor e conveniência que parecem atrativas em cada canal?

Só há uma maneira de descobrir isso tudo: Indo a campo!

Você precisa investigar por que o shopper escolhe a sua marca e o que o motiva a realizar esta escolha. Estas são algumas formas de obter algumas respostas (também retiradas do livro do Rubens):

  • Compras acompanhadas;
  • Grupos focais;
  • Entrevistas
  • Observações
  • Filmagens

O estudo da jornada de compra permite que você entenda o comportamento do shopper e interação dele com a categoria. É esse o princípio de qualquer estratégia de trade.

O objetivo do trade é descobrir como a informação pode ativar o gatilho de decisão de compra e trazer o melhor retorno sobre as ações no PDV.

 Como você dialoga com o shopper no ponto de venda? Compartilhe comigo sua opinião nos comentários! (:

Veja aqui como escolher o melhor layout para blog

O layout do blog é fundamental para torná-lo agradável e melhorar a usabilidade do usuário.

Qual layout para blog escolher na hora de colocá-la em prática? Essa pode ser uma tarefa bastante difícil, ainda mais se for a 1ª vez em que cria um blog. Na internet, é possível encontrar diversos templates diferentes e que podem chamar a sua atenção, mas não é apenas pela beleza que se deve escolher um modelo.

A aparência é fundamental para garantir a boa experiência de quem lê os seus conteúdos. Afinal, esse pode ser o 1º contato de um possível cliente com a sua empresa.

Então, esse “cartão de visitas” precisa passar profissionalismo, chamar a atenção e, ainda, garantir que as pessoas sintam vontade de continuar acessando o seu blog em busca de informações e conteúdos. Uma tarefa nada fácil, certo?

Para você não se preocupar com isso, listarei alguns conselhos para você escolher os melhores layouts para o seu blog. Se liga:

1) Escolha um tema legível

Quem escolheria um layout que não favorece a leitura? É possível encontrar diversos blogs que não são legíveis devido às más escolhas dos seus criadores. O resultado disso é uma página na qual o conteúdo é inacessível para os usuários — os quais, muito provavelmente, não voltarão a visitar o endereço. Dicas:

  • Utilizar no máximo 2 fontes diferentes e que tornem a leitura mais fácil, como Arial ou Helvetica;
  • Faça opção por configurações que tenham bom espaçamento entre linhas para não gerar confusão em que lê;
  • layouts com espaços em branco, pois oferecem um descanso para os olhos.

2) Escolha o Design Responsivo

Tablet, celular, computador pessoal… São muitas as opções de aparelhos que se conectam à internet e permitem que as pessoas acessem blogs. Porém, nem todos os temas são adaptados para os diferentes tamanhos de tela que esses aparelhos possuem. Dessa forma, uma pessoa pode conseguir uma excelente leitura do seu blog na tela do computador, mas, quando acessa pelo seu tablet ou pelo seu celular, encontra uma página desconfigurada. Isso dificulta o entendimento e afasta um possível cliente do seu canal de comunicação — um processo que, cá entre nós, não pode acontecer nunca.

Por isso é importantíssimo escolher um tema como este, porque ele tem a capacidade de se adaptar a qualquer dispositivo por meio do qual está sendo acessado. (:

3) Aposte na aparência profissional

Um blog, dependendo da intenção de quem o cria, pode ser pessoal ou profissional. Essa escolha vai orientar toda a construção do canal de comunicação. Um blog pessoal pode contar com cores brilhantes, excesso de informações e outros aspectos que podem parecer exagerados. Isso vai de acordo com gostos pessoais. Um blog profissional, por sua vez, deve ser pensado para agradar diferentes pessoas. Apostar em temas neutros, com cores menos chamativas ou que contem com alguns elementos que remetam às cores da sua marca, é uma opção acertada.

4) Escolha um tema compatível com diversos navegadores

Existem diversos navegadores disponíveis na internet:

  • Google Chrome;
  • Internet Explorer;
  • Microsoft Edge
  • Mozilla Firefox;
  • Opera;
  • Safari;
  • entre outros.

E, acredite, há pessoas usando todos eles! O tema escolhido pode parecer bem bonito no seu navegador, mas não é garantido que ele apareça  corretamente em todos os outros.

5)Tenha opções de suporte

Problemas podem acontecer a qualquer momento e, para você que não é desenvolvedor, pode ser bastante difícil encontrar uma solução. Um suporte técnico ajuda bastante na hora de lidar com esses imprevistos e diminui as chances de você ter que gastar dinheiro para encontrar uma resolução. O WordPress possui vários benefícios, mas muitos de seus temas não contam com opção de suporte.

Dessa forma, é importante buscar pelos layouts que tenham boa documentação e que ofereçam um mecanismo de suporte com atendimento via e-mail. Essa pode ser uma excelente forma de evitar dores de cabeça.

Gostou? Deixe seu comentário com suas dúvidas que teremos o prazer em te ajudar!

 

Leads que você gera em seu negócio

De acordo com a especialista Shawna Stephenson, o básico para quem deseja começar uma estratégia de automação de marketing é ter uma plataforma de automação, Leads segmentados, ou seja, criar filtros para identificação dos Leads. Assim, você terá uma lista dinâmica para realizar ações de marketing personalizadas e conteúdos excelentes. A partir de segmentações bem definidas, você terá a oportunidade de criar fluxos de nutrição mais adequados para os seus Leads, com uma linguagem própria, alcançando melhores taxas de conversão. É recorrente a dúvida de como realizar uma estratégia adequada de nutrição e direcionar os Leads ao fundo do funil para fecharem uma compra. Contudo, ela explicou também que, para quem está começando, isso pode parecer complicado, mas na verdade não é.

Pode-se fazer uma nutrição de Leads bem básica e conseguir bons resultados”, explica.

O que seria uma nutrição de Leads básica?

Para ela, pode ser entre 3 e 5 emails enviados no período de um mês, por exemplo. Você seleciona seus melhores conteúdos e nutre seus contatos com eles. Ela também citou um outro erro comum, que é começar a estratégia de forma muito avançada, com emails demais, em fluxos que chegam a durar um ano.

Queremos que esses Leads se tornem maduros e sejam educados para que estejam prontos para vendas. Esse é o objetivo da automação de marketing. Então, comece de forma simples.

A seguir, te darei alguns motivos para você segmentar seus Leads antes de iniciar um fluxo de nutrição:

1. Para dedicar esforço aos Leads certos

Quanto mais próximo o Lead do perfil ideal, mais assertivas serão suas ações de marketing e menor o esforço para alcançar melhores taxas de conversão.

Você poderá desenvolver conteúdos adequados para seus Leads, proporcionando uma melhor experiência, o que facilitará sua evolução no funil de vendas.

2. Para enviar a mensagem certa à pessoa certa

Quantos emails você recebe diariamente? Muitos, não?! Já observou que em muitos casos o conteúdo não tem qualquer relação com os seus interesses? Isso acontece porque muitas empresas não segmentam seus envios de emails de acordo com a preferência de seus Leads. Se você não sabe qual é o interesse de seus Lead, pergunte. Utilize os formulários de conversão (Landing Pages, pop-ups, etc.) para obter informações que permitam um melhor relacionamento. Porque não adianta simplesmente realizar um envio semanal de e-mail se o conteúdo não está alinhado com a necessidade do cliente.

Fazendo isso, além de você melhorar suas taxas de conversão, a sua empresa acaba criando uma relação de empatia com seu cliente, com a percepção de que há a preocupação com suas reais necessidades e não somente o interesse em vender a qualquer custo.

3. Para aumentar o engajamento nas campanhas de email

Não adianta enviar o mesmo email para todos os Leads. Entenda a necessidade e em qual o estágio do funil eles estão.

Imagine um Lead que baixou um material sobre o que é o renda fixa. Faz sentido enviar um email com uma oferta de consultoria financeira em seguida? Evidente que não. Ele está num momento inicial, de aprendizagem, e ainda não reconhece que tem uma necessidade.

Ao realizarmos uma campanha de E-mail Marketing nos deparamos com 3 desafios:

  1. O Lead receber o email: para isso, precisamos ter uma base higienizada;
  2. O Lead abrir o email: para isso, é fundamental definir assuntos que estejam de acordo com a base que foi segmentada.
  3. O Lead clicar e realizar a ação esperada: o conteúdo precisa realmente atender uma necessidade e complementar a experiência inicial do Lead.

Avalie os resultados obtidos para essas métricas e se perceber que não está alcançando boas taxas, revise a estratégia!!

5. Para gerar mais conversões ou vendas

Quando perguntamos a um cliente o que ele espera das estratégias de Inbound Marketing, a resposta geralmente é: “quero vender mais!”. Para que isso aconteça você precisa saber selecionar os Leads certos, com perfil de compra.

Analise:

  • Quantos materiais o Lead baixou
  • Qual é seu estágio no funil de vendas.

“Leads que baixaram conteúdos mais aprofundados demonstram um interesse maior na solução da empresa.”

Defina seus objetivos antes de segmentar seus Leads. Encontre fatores que sejam relevantes para o seu negócio e ajudem a identificar realmente quem são seus potenciais clientes.

Descubra como aumentar suas vendas por meio do blog sem cansar o leitor

O blog é uma ótima ferramenta para você poder se comunicar com seu público, fortalecer sua marca e tornar-se autoridade em seu nicho de mercado. Além disso, também pode ser usado para disseminar seu trabalho e fazer vendas específicas. Entretanto, você precisa saber como vender um produto sem cansar o leitor, porque o que mais vemos por aí são blogs sobrecarregados de informações  que acabam cansando a gente só de ler a introdução zzZZ… Isso realmente é desagradável, não é mesmo? E quando você vai à uma loja, você gosta que o vendedor esteja atrás de você o tempo todo, dizendo: “comprar, comprar, comprar”? A resposta provavelmente foi “não”, certo? Na Internet, funciona da mesma maneira.

Neste post vou te mostrar coisas que ninguém te conta sobre vender no seu blog e o melhor: sem perturbar os potenciais clientes. Vem comigo!!

1) Oferecer conteúdo de alta qualidade

A primeira coisa que você deve considerar é que os leitores do seu blog acessam seus textos para ler conteúdos que os interessam e isso é útil para eles e não para comprar um produto. Portanto, você precisa se concentrar em oferecer materiais que agreguem valor real ao seu público-alvo.

Imagine, por exemplo, que você venda algo como um curso online de automaquiagem. O objetivo principal do seu blog não será vender o seu curso, mas oferecer conteúdo no qual você é um especialista para ajudar as pessoas a resolver os problemas relacionados ao tema que enfrentam no dia a dia.

Alguns temas que você poderia publicar, por exemplo, seriam os seguintes:

  • Como escolher a base de maquiagem ideal de acordo com a sua cor da pele?
  • Aprenda 3 estratégias fáceis para colocar cílios postiços você mesmo.
  • As 10 marcas de cosméticos com a melhor relação custo-benefício.

Como você pode ter notado, nenhum desses conteúdos está focado em seu produto. Cada um serve para oferecer conhecimentos relevantes sobre um tópico que interessa aos seus leitores: maquiagem. A partir disso, você pode adicionar na sua publicação uma parte na qual você fala sobre o seu curso (natural e discretamente, de preferência). Se você oferecer conteúdo excelente, sua audiência provavelmente começará a confiar em você e sentirá vontade de comprar o seu curso espontaneamente, porque eles terão certeza de que valerá a pena investir em algo que você criou!

2) Sempre pense em seu persona

Se você quiser vender um produto no seu blog sem incomodar seu leitor, é muito importante que você tenha sempre essas características em mente e que você crie todo seu conteúdo considerando o perfil do leitor.

Se a sua especialidade é a gastronomia e você tem uma persona bem definida (como pessoas que querem perder peso), você provavelmente fará com que seu público se identifique facilmente, pois você criará um conteúdo altamente personalizado que será útil e atrairá atenção. O segredo está em sempre publicar temas de acordo com os perfis dos leitores do seu blog. Fazendo isso, o número de pessoas satisfeitas com o conteúdo tende a aumentar.

3) Não pressione o seu leitor

Como dissemos antes, ninguém gosta de ser pressionado, principalmente quando estamos falando de vendas. Você gosta de ser chamado todos os dias para lhe oferecer um produto que não lhe interessa? Ou você gosta de chegar em casa e encontrar um monte de folhetos sob sua porta, anunciando algo que você nem precisa? O excesso de publicidade e insistência é muito mal visto pelas pessoas, principalmente agora na era da informação.

Portanto, seja sutil em suas promoções e apenas ofereça seu produto se ele estiver relacionado com o contexto da publicação.

Aprenda a “vender sem vender”!

4) Mostre que seu produto é confiável

Em vez de ficar o tempo todo pedindo que seu leitor compre um produto, mostre-o de forma natural que o que você vende é confiável e de alta qualidade. Por exemplo, se você vende cursos online, pode pedir a um de seus alunos que terminou as aulas para deixar um testemunho sobre seus resultados.

5) Use uma linguagem leve e pessoal

Se você quiser vender um produto no seu blog sem incomodar o leitor, não se esqueça de que seu público esteja lá para acessar seu conhecimento e não fazer uma compra. Expressões em imperativo como “comprar agora”, “tentar hoje” e “não desperdiçar mais tempo” podem parecer muito comerciais e irritar seus leitores. Ele prefere usar uma linguagem mais pessoal e mais leve. Imagine que está falando com um amigo que deseja ajudar e não com um cliente que precisa persuadir.

6) Coloque um formulário no seu blog

Uma excelente opção para você fazer as vendas graças ao seu blog é incluir um formulário de inscrição na sua página. Os leitores que estão muito interessados ​​no conteúdo que você publica podem deixar seu endereço de e-mail, o que permite que você envie notificações, materiais úteis, descontos especiais, conteúdo exclusivo e outras vantagens. Essas pessoas querem receber mensagens de você e, portanto, é mais fácil enviar uma oferta sem incomodá-las.

7) Combine o blog com outras ferramentas e redes sociais

Para que seus potenciais clientes confiem em você e desejem comprar um produto seu, eles devem se lembrar da sua marca. Portanto, quanto mais você puder estar em contato com eles, em diferentes contextos, melhor! Além da nutrição das pistas que mencionamos no tópico anterior, certifique-se de usar outros meios de comunicação como Facebook, Instagram e Youtube.

Espero que esses conselhos tenham sido úteis e que você comece a usá-los hoje. Vender um produto é muito mais fácil quando sua audiência confia em você e te vê com bons olhos!