Posts

Em posts anteriores já falamos sobre gatilhos mentais. Caso você não tenha visto esse post, ou não se lembe o que são os gatilhos mentais, acesse esse link para ficar por dentro do assunto. Saber quais são os gatilhos mentais e como usá-los na sua estratégia é essencial para alavancar o desempenho das suas vendas. Por isso, trouxemos para você mais 03 gatilhos mentais que, com certeza, serão de excelente ajuda na sua estratégia.

Autoridade

O primeiro gatilho mental de que vamos falar é o de autoridade. Ele pode ser extremamente eficaz se utilizado com sabedoria. Para que ele funcione é necessário que você se posicione como uma figura de autoridade na sua área de atuação. Como assim? Você deve demonstrar que a sua empresa domina a área de atuação em que está inserida. Assim, seus clientes terão mais confiança em relação ao seu trabalho. No entanto, para que essa gatilho funcione de maneira eficaz, não basta apenas dizer que é uma autoridade no assunto, você tem que ser!

Novidade

O ser humano é um bicho muito curioso. Estamos sempre em busca do desconhecido, de algo novo, pois é isso que nos tira da nossa zona de conforto. Por exemplo: quando ganhamos um presente, ou descobrimos alguma novidade nós temos  uma grande sensação de satisfação. E é desse artificio que o gatilho mental da novidade se utiliza. Tente sempre atualizar seu cliente, instigue sua curiosidade. O importante é não deixá-lo na mesmice!

Prova Social

O que você pensa quando observa um restaurante cheio de gente? Ou uma loja lotada? Provavelmente você associa a quantidade de clientes com a qualidade do serviço prestado. Muitas das decisões que tomamos, são influenciadas pelas pessoas ao nosso redor. Além disso, como seres humanos, temos uma grande necessidade de nos sentir pertencentes a algum grupo. E é disso que gatilho da prova social se aproveita. Por isso, divulgar depoimentos de clientes sobre as experiencias positivas em relação ao seu serviço é uma excelente forma de atrair mais clientes.

Acessar o nosso blog diariamente para não perder nenhum post!

Fonte: viverdeblog

Imagem: Google

O modelo AIDA tem como foco o comportamento dos consumidores e se fundamenta na ideia que todo consumidor passa por um ciclo, até a compra dos produtos.

Esse ciclo é conhecido como a jornada do comprador, que começa quando o consumidor tem o primeiro contato a marca e termina na tomada de decisão, no caso, se fará ou não a compra.

Em suma, o método AIDA leva em consideração os pensamentos do consumidor. Além de dar atenção ao que o cliente necessita ou deseja, e a partir dai ele propõe etapas que visam gerar leads e fechar vendas.

As quatro etapas do modelo AIDA

O nome AIDA é um acrônimo formado pelo conjunto das iniciais (em inglês) das etapas principais da jornada de compra. Sendo elas: Attention (Atenção), Interest (Interesse), Desire (Desejo) e Action (Ação).

Ao criar uma estratégia de marketing que possua todos os pontos citados, você terá mais chances de obter sucesso e transformar completos desconhecidos em clientes fieis.

A etapa da atenção

Essa etapa serve para apresentar  o seu produto ou serviço, e a solução que eles oferecem ao consumidor. Mas não se engane, só isso não é suficiente para atrair a atenção do seu público.

Pois, além da sua marca exitem diversas outras que oferecem serviços semelhantes.

Essa é a hora de inovar e fazer algo realmente diferente! Ao invés de apenas mostrar o seu produto, você deve passar a sua mensagem de forma criativa. A fim de atrair de fato o olhar dos clientes.

A etapa do interesse

Após conseguir a atenção do seu consumidor, você precisa despertar o interesse dele em relação ao que você tem a oferecer. Porém, caso o seu produto ou serviço não sejam muito interessantes isso pode se tornar um desafio.

Nessa etapa o seu consumidor já está inclinado a conhecer seus serviços, porém ele ainda precisa passar por um processo antes de entrar na tomada de decisão e chegar a compra.

Por esse motivo, você deve mante-lo envolvido com suas ações de marketing, e a partir dai ir o conduzindo compra. Esse é o momento de mostrar os pontos fortes da sua marca e se fazer relevante.

A etapa do desejo

Essa é a parte do processo que, o consumidor deixa de apenas gostar do seu produto e passa a querer adquiri-lo. Nessa etapa os consumidores costumam comparar preços.

Ou seja, o cliente identificou que precisa do produto, ele quer compra-lo, conhece sua marca. Entretanto, ele quer verificar outras opções que existam no mercado.

Então, o seu trabalho nesse momento é mostrar para o consumidor, o que ele ganha ao optar pela sua marca. Sendo assim, deixe claro o que o seu produto tem de melhor e agregue valor a sua marca.

A etapa da ação

Por fim, temos a etapa da ação que finaliza o modelo de AIDA e é o momento de transformar o desejo do consumidor em resultado. Aqui o resultado dependerá do seu objetivo, pode ser uma assinatura, uma compra, etc.

Uma estratégia boa pra utilizar nesse ponto é criar um senso de urgência, dando um empurrãozinho para que o cliente feche o ciclo da aquisição.

Ademais, tente colocar esse modelo em prática para ver a mudança nos seus resultados.

Não deixe de acompanhar o blog para mais conteúdo como esse!

Fonte: neilpatel

Imagem: Google

 

O teste A/B pode ser usado para definir qual o melhor caminho a seguir, na sua estratégia de marketing digital. E desse modo, otimizando os seus resultados.

O marketing digital tem como um de seus benefícios, a possibilidade de avaliar os resultados de uma estratégia. A fim de, entender os fundamentos que trazem o retorno do público e repeti-los futuramente. E os testes A/B auxiliam exatamente nessa questão.

Os que são os testes A/B

O teste A/B nada mais é que, efetuar comparações entre os aspectos do marketing, com intuito de descobrir qual gera um retorno mais positivo. Por exemplo, você pode testar variações de títulos de assunto para o seu e-mail marketing, para definir qual gera mais resultado.

Vale lembrar que, os testes A/B são diferentes dos testes multivariados. Pois, nos testes multivariados se testam diversas variáveis simultaneamente, enquanto nos testes A/B são testadas somente duas variações, com o objetivo de escolher entre as duas.

O que testar e como realizar o teste?

Você tem uma ampla possibilidade quando se fala no que pode ser testado, como a cor de fundo de anúncios, os títulos do seu blog, assuntos de e-mail marketing e muito mais.

Algumas plataformas em que o teste pode ser feita são, o Facebook, o Instagram, o Google Ads e outras.

A principio, essas alterações podem parecer pequenas ou insignificantes, mas elas podem influenciar muito nos resultados do seu negócio. Principalmente, quando você consegue maximizar o retorno por completo, fazendo várias pequenas alterações em um mesmo segmento.

Algumas ferramentas permitem que você execute os teste de forma natural, tornando a tarefa mais simples. Porém, se você for fazer por conta própria, precisará dividir um segmento do seu público em duas parte iguais, tentando fazer com que as partes ficam mais semelhantes possível. Após, basta enviar cada alternativa para uma das partes.

Vale ressaltar que, quando o teste é feito é preciso que apenas um item do modelo seja alterado e todo o resto do conteúdo permaneça igual. Caso contrario, você não terá um resultado preciso do teste.

Por fim, tente implementar o teste A/B na sua estratégia de marketing para otimizar os resultados da sua empresa!

Ademais, continue acessando o nosso blog diariamente para não perder nenhum post.

Fonte: mirago, rockcontent

Imagem: Google

Desenvolver a estratégia de marketing para o público certo te auxiliará no processo de expansão da sua marca, assim como, resultará no aumento do seu lucro.

Obviamente, não dá para falar e fazer marketing, sem falar em público alvo. Sendo assim, direcionar a sua estratégia de marketing para atingir o público correto é não só importante, mas essencial para o sucesso de sua estratégia.

Por esse motivo, nesse post nós vamos dar algumas dicas, de como conduzir sua estratégia da melhor maneira, para alcançar as pessoas certas.

Segundo Philip Kloter (conhecido como o pai do marketing) é necessário usar três pilares conceituais, para desenvolver uma boa estratégia de marketing. Sendo eles:

  • Foco no consumidor em potencial
  • Gerar interação e ofertar valor, a partir do conhecimento prévio das características do seu público alvo
  • Oferecer soluções significativas, a fim de deixar o seu consumidor satisfeito e cativá-lo

Entretanto, para usar esses pilares em sua estratégia de marketing, é necessário que antes você se faça algumas perguntas a cerca do seu negócio, que são:

Qual público você deseja atingir, ou seja, qual o seu público alvo?

Primeiramente, você deve entender que nem todo mundo, se interessará por seus serviços e produtos. Sendo assim, você deve estabelecer o seu público alvo e direcionar sua estratégia a ele.

É valido lembrar que, o seu público alvo precisa ter os mesmos valores que a sua marca. Pois caso contrario, eles não serão clientes fiéis. Podendo se afastas por alguma discordância com a visão da marca.

Depois do público estabelecido, você poderá criar uma espécie de personagem, com as características do seu público alvo, para que você possa se comunicar melhor com ele.

Nesse ponto, é importante prestar atenção em algumas características em específico do seu público. Como as afinidades, as dores, a faixa etária, o poder aquisitivo, o gênero e a localização deles. Assim como, qualquer outra característica relevante dos seus clientes.

Vale ressaltar que, não basta apenas conhecer as características do seu público, você precisa também se esforçar para construir um relacionamento com ele.

Que problema o meu produto ou serviço visa solucionar?

Saber a resposta para essa pergunta, vai te ajudar a estabelecer uma comunicação melhor com o seu cliente. Porque através da definição bem estabelecida, você conseguirá mostrar o verdadeiro valor do seu produto.

Além disso, você poderá identificar também o que o seu alvo busca no seu negócio e então, falar o que o seu cliente espera ouvir de você.

Para isso, é necessário ouvir o que o cliente tem a dizer. Pois só assim, você conseguirá uma resposta mais próxima da que ele espera.

Portanto, preste muita atenção nos seus consumidores. Leia os comentários, as opiniões, as mensagens, faça pesquisas e convide-os a se expressar.

Agora que você entende quem é o seu público e qual a importância dos seus serviços/produtos para eles. Você já pode utilizar com mais facilidade, os três pilares de Philip Kloter. E a partir dai, desenvolver uma estratégia de marketing mais assertiva.

Continue acessando o nosso blog para mais conteúdo como esse!

Fonte: Tiago Tessmann

Imagem: Google

Nós já falamos aqui sobre a importância dos gatilhos mentais, para otimizar sua estratégia de marketing. E no post de hoje, vamos citar 3 dos principais gatilhos mentais, que podem vir a alavancar suas vendas.

Gatilhos mental da urgência

Esse gatilho é semelhante ao da escassez. Porém, no da escassez nós lidamos com um item raro e de difícil aquisição. No entanto, no da urgência o cliente é colocado em uma situação com prazo limite para compra.

O maior beneficio desse gatilho é evitar a procrastinação, que é o inimigo de qualquer negócio. Ao se deparar com o gatilho da urgência o cliente tende a agir de maneira impulsiva, adquirindo o produto sem pensar muito a respeito para não perder a oportunidade.

Esse gatilho pode ser usado em promoções, sendo ativado com expressões como “Só até hoje” ou “Essa é sua última chance”. Entretanto, assim como no gatilho da urgência, é necessário cautela para não passar informações falsas aos clientes.

Só utilize esse gatilho quando o prazo for, de fato, verdadeiro. Pois, clientes que se sentem enganados tendem a perder a credibilidade na marca.

O gatilho mental da reciprocidade

Realizar uma boa ação, sempre traz algo de bom de volta, seja um sorriso, ou nesse caso, a reciprocidade do cliente.

Esse gatilho tem como foco fazer algo de bom para o cliente, como disponibilizar um material gratuito por exemplo. E a partir dai, o consumidor se sentirá em divida com a empresa, sentindo a necessidade de retribuir o favor.

Vale lembrar que, a ação deve ser feita de forma espontânea, sem evidenciar o retorno esperado do público.

É interessante também, fornecer amostras grátis de produtos e serviços. Que podem ser distribuídas até mesmo, em conjunto com o item que o cliente comprou.

Desse modo, além de deixar o cliente “em divida” com sua marca, ele irá se afeiçoar pelo seu negócio. Se tornando um cliente mais leal.

O gatilho mental Dor x Prazer

O ser humano é movido pela busca da sensação de prazer e bem estar, além da fuga da dor e do sofrimento.

Porém, as pessoas tendem a se afastar mais da dor, do que se aproximar do prazer. Pois, elas estabelecem que fugir da dor, por si só, pode causar uma sensação de alivio ou prazer imediato, ou no minimo uma sensação de segurança.

Para utilizar esse gatilho, é necessário identificar o que causa dor e prazer em seus consumidores. Vale salientar que, nem sempre esses pontos serão semelhantes em seus clientes.

Após identificar a necessidade do seu cliente, lembre sempre de apresentar primeiro as soluções para os incômodos do seu público e só depois apresentar os benefícios. Ou seja, foque primeiro em gerar a fuga da dor e depois em estimular o prazer.

Vale lembrar ainda que, os gatilhos servem para persuadir os clientes, o que é diferente de manipulá-los. Pois a persuasão é algo bom, que leva o cliente é escolher mais facilmente. Já a manipulação é algo negativo, que se trata de fazer o consumidor escolher um produto sem estar ciente de suas especificações.

Agora que você conhece alguns gatilhos mentais e como sabe usá-los, tente colocá-los em prática em sua estratégia de marketing para alavancar ainda mais suas vendas e ganhos.

Não deixe de acessar o nosso blog diariamente para não perder nenhum post!

Fonte: viverdeblog

Imagem: Google

 

Os gatilhos mentais são impulsos recebidos no cérebro que direcionam as tomadas de decisões. Por isso, estimulá-los pode melhorar o resultado de suas vendas.

Todos os dias nós tomamos uma série de decisões sobre tudo, que vão desde escolher o que comer, até fazer uma caminhada, escolher o que vestir ou ler um livro, por exemplo.

Aliás, tudo aquilo que optamos por não fazer no nosso dia, também é considerado uma tomada de decisão.

É valido lembrar que, todas as decisões que tomamos, são baseadas em alguns aspectos. Podendo ser, aspectos internos ou externos, relacionados a cultura, expectativa, humor e etc. Tudo isso desperta no nosso cérebro uma espécie de click, que nós faz escolher entre uma coisa ou outra.

É obvio, que decisões também são diretamente ligadas ao consumo. Desse modo, entender os critérios que um individuo estabelece para tomar uma decisão, é importante para otimizar as vendas.

O que são gatilhos mentais

Os gatilhos mentais são as decisões, tomadas pelo nosso cérebro quando ele está no “piloto automático”.

Ou seja, ele filtra as decisões para estabelecer quais são importantes, e de fato merecem mais atenção. E quais ele pode realizar da forma como foi “ensinado” a fazer.

Pense, por exemplo, quando você está muito cansado mentalmente, quando tem um dia estressante, ou algo do tipo. As ações que você realiza começam a acontecer de forma automática, sem pensar muito a respeito e quando você se dá conta, já executou as tarefas e nem se deu conta.

Um exemplo mais claro é quando você lava os pratos, a decisão de iniciar a tarefa é feita de forma consciente, porém ao decorrer do processo a ação se torna automática, sem que você se quer pense a respeito.

Sendo assim, podemos dizer que os gatilhos mentais são facilitadores do nosso cérebro, o poupando de gastar muita energia em tarefas que ele já saber conduzir, sem perder muito tempo pensando a respeito do assunto.

Exemplo de gatilho mental aplicado no marketing

Escassez: No nosso inconsciente, associamos o valor de um objeto a dificuldade de encontrá-lo. Ou seja, quanto mais raro for um produto, maior valor ele terá. Esse gatilho é aplicado quando uma marca lança um produto em um lote com poucas unidades, ou quando um evento é realizado, com uma quantidade limitada de convidados.

O que ocorre é que, a exclusividade do item ou do evento, aumenta o valor agregado a ele. Outro exemplo é quando, uma marca lança uma variação de um produto em uma quantidade limitada.

Vale lembrar que, para que o consumidor não se sinta enganado, é importante que as informações divulgadas sejam verdadeiras.

Sendo assim, é necessário fazer uma análise, para estabelecer se é mesmo benéfico disponibilizar o item com uma quantidade limite.

Existem diversos gatilhos mentais que podem ser utilizados no marketing e agora que você conhece a importância deles, não deixe de aplicá-los para melhorar sua estratégia!

Continue acessando o blog diariamente para mais dicas nessa área.

Fonte: rockcontent

Imagem: Google

Você já sabe o que é Marketing one to one? Hoje vamos explicar o que você precisa entender sobre esse assunto.

Ainda hoje, muitas empresas estão acostumadas com o Marketing tradicional, onde é focado em aumentar a participação do mercado (market share), medido na categoria de produtos. O Marketing one to one é o contrário, ele é focado em aumentar a participação do cliente (share of customer) medido cliente a cliente, ou seja, um a um. Tá aí, a explicação do nome.

Em vez de buscar maior participação no mercado, busca-se maior participação do cliente. Cria-se então um vínculo com o cliente, gerando fidelização dos clientes mais valiosos e logo aumento da lucratividade. Essa estratégia ainda pode ser chamada de Gestão do Relacionamento com o Cliente (CRM). A ideia aparece disfarçada de diversas formas, mas a ideia real é desenvolver e gerenciar relações individuais com clientes individuais.

Atualmente, com o maior acesso a tecnologia, o marketing one to one pode ser ainda mais eficiente. Devido a cultura de dados que hoje vivemos, é possibilitado acompanhar seus clientes de forma individual e personalizada. É possível direcionar ofertas, se preocupando com um cliente de cada vez. A cada interação com seu cliente, a empresa consegue adequar ainda mais seus produtos e serviços para às necessidades daquele cliente.

Para uma empresa tradicional migrar para uma cultura one to one ela precisa passar por um processo que envolve toda empresa e não só a equipe de marketing. O processo claramente envolve toda a empresa num esforço de tratar cada cliente o mais individualmente possível em todos os processos, departamentos e divisões da empresa.

O processo de implementação de um programa de marketing one to one pode ser pensado como uma série de quatro passos básicos:

Identificação dos clientes, ou seja, você precisa conhecê-los; diferenciação dos mesmos, existem dois tipos de cliente para a sua empresa, os que possuem necessidade pelo seu produto ou serviço e os que possuem valor para sua empresa (alguns possuem um alto nível, outros nem tanto). Interação com o cliente, o qual está ligado à diferenciação ou personalização, você precisa ter um feedback para assim descobrir quais são as necessidades dele. Por último, a personalização onde a empresa precisa saber lidar com necessidades individuais dos clientes.

Assim, uma vez tendo identificado seus clientes, o próximo passo é diferenciá-los de maneira a priorizar seus esforços e aproveitar o mais possível de seus clientes de maior valor e personalizar o comportamento de sua empresa, baseado nas necessidades individuais de seus clientes.

Fonte(s): CRM SERIES MARKETING 1 TO 1 – 3ª Edição

O que é?

O digital influencer nada mais é que um produtor de conteúdo que utiliza seus canais para influenciar comportamentos tanto na internet, como fora dela. O perfil pode ser pessoal ou comercial. Há pessoas de diversos segmentos com esse perfil. Podemos citar modelos, blogueiras de diversos assuntos, lojas, esportistas, artistas e marcas diversas.

Alcançar esse patamar significa, primeiramente, reconhecimento por estar oferecendo conteúdo relevante e cativando o seu público. Ou seja, a ideia é você conquistar essa qualificação organicamente pelas suas estratégias de divulgação.

Assim, quanto mais seguidores e engajamento você tiver, mais obterá autoridade e as boas consequências: fidelização de clientes e mais conversões.

Por causa desse potencial para gerar negócios, os digital influencers ganharam autonomia para negociar valores e ganhar dinheiro, a partir do conteúdo que já produziam.

Para quem não sabe, hoje, já é possível fazer faculdade de digital influencer. Ainda se sabe muito pouco sobre o curso, mas o fato é que as faculdades já estão de olho nessa oportunidade de negócio.

Autonomia

Esse benefício pode parecer papo de vendedor, mas é inegável que trabalhar com venda direta traz uma certa liberdade.

Afinal de contas, caso você entre nesse modelo de negócio, poderá escolher quantas horas do dia se dedicará ao trabalho, o tipo de produto que quer comercializar e o público para o qual irá vender, por exemplo.

Mas é sempre bom lembrar que o seu ganho será proporcional à sua produtividade.

Suporte de grandes empresas

Trabalhar com venda direta é entrar em um mercado consolidado pelos seus números e por empresas de renome.

Por estrutura, estamos considerando os planos bem definidos de comissão e bonificação, a qualidade dos produtos, a capacitação, o respeito e o compromisso com os revendedores, entre outros pontos relevantes.

Modelo escalável de ganhos

Essa é uma das principais características do marketing multinível. Por exemplo, quando um revendedor recruta um novo distribuidor, esse novo integrante pode, após um tempo, criar a sua própria rede.

As pessoas que forem incluídas na rede por esse novo integrante também podem formar suas próprias equipes e, dessa maneira, os níveis da força de vendas vão se multiplicando sequencialmente.

É essa escalabilidade que caracteriza o marketing de rede e amplifica os ganhos dos líderes de venda.

Definição

Também conhecida como boletim informativo, trata-se de uma publicação com conteúdo, periodicidade, linha editorial e comunicação visual atrativa. Possui muitos elementos de jornais e revistas, pode ser também impressa, mas atualmente é mais utilizada na forma eletrônica, enviada por e-mail.

Newsletters são uma ótima opção de comunicação para fomentar o relacionamento com clientes e prospects de uma forma leve e com mais proximidade.

Nesse tipo de email, é possível promover em uma das chamadas um produto para os Leads que estão em momento avançado de compra e, ainda assim, ser relevante para aqueles que se encontram em outro estágio do funil de vendas ao oferecer a leitura de artigos e dicas.

Além disso, elas podem ser produzidas facilmente, pois repetem sempre um padrão de organização do conteúdo.

Todas essas possibilidades podem gerar um ótimo retorno, desde que a qualidade seja mantida.